Decorreu dia 22/02, a primeira sessão pública de esclarecimento das novas Áreas de Reabilitação Urbana de Braga. A sessão, que decorreu no auditório da Junta de Freguesia de S. Victor, visou debater a ARU Braga Nascente, onde existem 16% de edifícios vagos e 42% a apresentarem necessidade de reparação.

A ARU Braga Nascente assenta em prossupostos como a ligação do Centro Histórico ao Pólo da Universidade do Minho; o reforço da oferta de espaços verdes urbanos; melhorar a articulação dos grandes equipamentos com as infra-estruturas pré-existentes; melhorar as condições de habitabilidade do conjunto de bairros de matriz social; englobar loteamentos e urbanizações de iniciativa privada e os edifícios industriais abandonados e/ou em ruína na área nascente da Cidade.

Recorde-se que o Executivo Autárquico Bracarense considerou ser oportuno prosseguir de forma mais alargada a política municipal de estímulo à reabilitação urbana, determinando a delimitação de duas novas ARU na cidade e a alteração de uma das ARU existentes, a de Braga Sul. Mais de metade dos edifícios existentes no território correspondente às quatro ARU’s da Cidade foram construídos há mais de 35 anos (54%), evidenciando um parque edificado envelhecido e, por esse facto, com as consequentes necessidades de manutenção ou reabilitação. De referir ainda que 11,8% destes edifícios necessita de obras de reabilitação médias ou profundas (num total de 1.155 edifícios), o que representa um potencial de reabilitação muito significativo.