Reflexões em torno da Arquitectura e Cidadania – Aula Aberta

aula aberta

Os alunos do 5º anos da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão foram desafiados pela Junta de Freguesia de S. Victor a (re)desenhar determinados locais em contexto urbano.
Dessa sugestão surgiu a exposição e a reflexão em torno das estratégias e projectos de intervenção na cidade.
Alguns dos projectos, que foram apresentados publicamente no dia 14 de maio (4ª feira), são hipotéticas soluções sobre casos de Braga.
A exposição funcionou como uma aula aberta para todos quanto gostam de reflectir sobre a Cidade de Braga. Esta aula aberta contou com a presença da reitora da Universidade Lusíada, Rosa Moreira, que fez questão de apoiar os alunos na apresentação dos seus projectos na final de curso. Presente nesta aula aberta esteve o director da Faculdade de Arquitectura e Artes da Lusíada de Famalicão, Fernando Mariz, que realçou a importância de eventos como este para que a universidade ultrapasse os muros académicos. “Estes eventos fazem parte da estratégia de aproximação dos estudantes e da universidade à comunidade”. Um especial agradecimento à Arquitecta e Amiga Maria Tavares que afirmou que “a arquitectura, enquanto acto de cidadania, é uma questão cada vez mais importante para cada poder aproximar cada vez mais aquilo que a cidade tem de todos”.
A sessão contou com a decorreu no auditório da Junta de Freguesia de S. Victor.

“Cristo Crucificado…por amor a nós”

exposição semana santa

A propósito da participação da Comissão Organizadora da Procissão da Burrinha nas Solenidades da Semana Santa, realizámos, na Junta de Freguesia de S. Victor, a exposição “Cristo Crucificado…por amor a nós”. Esta exposição visou expor as mais belas peças de arte sacra, contando com a colaboração de “fregueses” e amigos de S. Victor, entre os quais muito agradecemos ao Sr. Francisco Neto, ao Sr. Gaspar, à Anna Martins, entre outros. O nosso sincero obrigado.

Exposição Fotográfica “Uma Memória de Braga Esquecida”

Salão Egipcio

 

Está patente, no Espaço Galeria da JF S. Victor, uma exposição fotográfica sobre um sítio desaparecido (Atheneu Comercial) e sobre um sítio em vias de desaparecer (Salão Egípcio). 

Ambos os locais eram emblemáticos da cidade, numa outra época. Com o passar dos tempos, quer o Salão Egípcio, quer o Atheneu Comercial perderam vitalidade por perderem as pessoas que os frequentavam. Rapidamente caíram no esquecimento e entraram em processo de degradação.
Fernando Mendes e Luís Machado voltaram a trazer, à ordem do dia, a temática da preservação e valorização do nosso património, a partir de uma belíssima exposição fotográfica sobre estes dois locais.
Aquando da inauguração da exposição fotográfica, a Freguesia de S. Victor convidou o Professor Rogério Sousa, Egiptólogo e colaborador no Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra.
Este investigador provou que as figuras parietais existentes no Salão Egípcio não foram fantasiadas por Lúcio Fânzeres, mas sim constituindo uma prova da cultura egipciante detida pelo famoso autor. Durante o século XIX foi comum o aparecimento de edifícios com esta temática, e o Salão Egípcio de Braga traça-nos a evolução das corrente artísticas, pois na altura em que foi pintado, já estes temas egipciantes tinham passado de moda no resto da Europa,
A partir da obra Denkmäler aus Aegypten und Aethiopien (Monumentos do Egipto e da Etiópia), do alemão Richard Lepsius, o pintor acedeu a mapas, desenhos e figuras de túmulos e templos que replicou nas paredes do número 9 da Rua do Souto.
As pinturas replicadas pertencem, na sua maioria, às imagens existentes no Templo de Ramsés III, situado em Medinet Tabu, em Luxor, no Egípto.
Provou-se que o Salão Egípcio tem um enorme valor, e que merece ser preservado.
Num agradecimento pela exposição, o presidente da Junta de Freguesia de S. Victor, Ricardo Silva apelou aos participantes que visitem novamente a exposição e que tragam mais amigos para conhecer este tesouro escondido de Braga.
“Só podemos amar o que conhecemos e conhecendo este local, vamos querer protege-lo, pela sua singularidade, pela sua beleza, por poder ser um ícone da nossa cidade. Sendo exemplar único em Portugal, com estes temas tão expressivos, importa que consigamos sensibilizar o executivo municipal para encetar forma de conservar este local e torna-lo de fruição pública. Esta é uma exposição que ajudará a criar consciências e ensinará às gerações mais novas o gosto pela história e cultura. A negação dos nossos valores culturais faz de nós um povo de memória curta e sem consciência colectiva.”
O autor Fernando Mendes agradeceu o convite formulado pelo presidente da Junta de Freguesia de S. Victor para dar a conhecer dois locais de singular beleza e afirmou que esta exposição é um sinal de teimosia e de esperança, confirmando que todos aqueles que não cuidam do melhor do passado irão, com certeza, perder o rumo do futuro”.

S.A.R. D. Duarte visita das Sete Fontes

D. Duarte de Bragança

No passado dia 19/01, estivemos no Complexo Eco-Monumental das Sete Fontes, a convite do Partido Popular Monárquico e da Câmara Municipal de Braga, para receber S.A.R. D. Duarte Pio, que, numa visita à cidade de Braga, aproveitou para conhecer este monumento.

Foi simbólico receber o descendente da Casa de Bragança, uma vez que são os arcebispos da Casa de Bragança que estão representados nos brasões das Sete Fontes.

Além da CMB e Junta de Freguesia de S. Victor, estiveram, ainda, representantes dos Peticionários do Movimento “Salvem As Sete Fontes“, da ASPA, da JovemCoop e BragaMais.

A JF S. Victor ofereceu a S.A.R. D. Duarte, para perpetuar esta passagem pelas Sete Fontes, o livro da freguesia e uma réplica da Mãe d’Água do Dr. Amorim, pedindo que, na sua prática de apoio aos movimentos associativos, continue a envidar esforços para proteger este Monumento Nacional.

Concerto “Os primeiros sons de Janeiro”

sons de janeiro Mantendo a tradição, a Junta de Freguesia de S. Victor voltou a convidar os fregueses a deixar-se embarcar nas melodias dos “Primeiros Sons de Janeiro”.

Este concerto, que visa dar as boas vindas ao ano novo, pretende, ainda, que pela música possamos auspiciar um ano de boas iniciativas e momentos de convívio.

O Concerto esteve ao encargo dos Cappella Bracarensis, superiormente dirigido pela Maestrina Graça Miranda, contando, ainda, com a espectacular participação do Ensemble de Guitarras constituído por alunos do “Curso de Guitarra” da Junta de Freguesia de São Victor, magistralmente orientado pelo prof. Sérgio Gomes.

O nosso muito obrigado pelos votos de bom ano novo, a partir das mais belas músicas.

Festa de Natal das crianças de S. Victor

festa natal

No passado dia 12 de Dezembro, a Freguesia de S.Victor celebrou o Natal junto das suas crianças, reunindo os alunos das Escolas num grande convívio.
A Festa, apresentada por 
Hermínio Da Costa Machado e com as presenças deHenrique Músico e dos Palhaços Afonsito, Tremidinho e Catatau, foi animada pelos alunos das várias escolas. Tivemos, ainda, oportunidade de premiar os vencedores dos concursos de postais e de contos de Natal, bem como homenagear as menções honrosas. A todos os alunos, pela sua iniciativa e trabalhos, os nossos muitos parabéns.

Dia Mundial das Diabetes

Diabetes
A Junta de Freguesia de S.Victor, no âmbito das iniciativas na área da saúde, associou-se ao Dia Mundial das Diabetes, a partir de acções de rastreio, realizadas por pessoal técnico especializado e que decorreu no Largo da Senhora-a-Branca. Esta iniciativa contou com o apoio e colaboração do RC6, das Farmácias Henriquina e Silva, Nortemed e EsProMinho. Ao longo de todo o dia, realizámos mais de 400 rastreios. 
Além disso, como forma de assinalar o dia, preenchemos a fachada da sede da Junta com balões azuis e iluminámos as vitrinas de azul, lembrando a cor que marca o Dia Mundial das Diabetes. Esta acção é um contributo para a boa condição de saúde que desejamos para os nossos fregueses. A todos os que participaram, o nosso muito obrigado!

Respirar Feliz em S. Victor “Unir Gerações”

Unir geracoes4

“Unir gerações” é uma das atividades de sucesso da Junta de Freguesia de São Victor. Este evento, com muito espírito e ação intergeracional, junta Netos e Avós numa atividade que une a cultura ao conforto do convívio entre GERAÇÕES. Parceiro insubstituível nesta inédita fórmula de juntar a família num passeio lúdico/cultural é a Associação de proprietários das “intemporais” Citroen ’s 2 CV, a sempre pronta Bicavalaria do Minho, que faz de um sonho uma realidade com muita aventura, numa fantástica viagem onde a “velocidade” se rende ao prazer da viagem e ao deleite das paisagens lindíssimas de Portugal. O ano de 2013 juntou Autarcas de S. Victor, Bicavaleiros, a sua maioria de Braga, mas também de Barcelos, Guimarães e Penafiel, e a alma do “UNIR GERAÇÕES”, composta por Netos e Avós.

Unir geracoes1Deu-se pois, com grande animação…: “Um saltinho até…PENAFIEL”. Este Município, presidido por um AMIGO de São Victor, convidou-nos a visitar o Museu Municipal de Penafiel, que está instalado no palacete setecentista dos Pereira do Lago, uma das últimas obras assinadas pelo arquiteto Fernando Távora (falecido em 2005) e concluída pelo seu filho, José Bernardo Távora. Foi inaugurado a 24 de Março de 2009 pelo Presidente da República Cavaco Silva. O acervo do museu é constituído por três núcleos, arqueologia, etnografia e história do concelho, uma área de exposições temporárias e uma sala multimédia.
O museu tem também um auditório com capacidade para 150 pessoas, uma loja e um bar/restaurante, situado sobre o jardim, criando um anfiteatro ao ar livre, capaz de albergar 200 pessoas. Em 2010 foi eleito Melhor Museu Português pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Trata-se de um MUSEU com distinção Nacional e considerado um dos vinte melhores MUSEUS da EUROPA. Vale por isso a pena uma visita e a confirmação do seu inquestionável valor. Houve ainda a oportunidade, antes e depois do almoço, para se visitar o Santuário do Sameiro, localizado em Penafiel, também conhecido por Santuário de Nossa Senhora da Piedade. O Santuário foi construído em finais do Século XIX a par do belo Parque Zeferino de Oliveira, popularmente conhecido por Jardim do Sameiro, num encantador estilo Romântico, com a cidade a seus pés.

Unir geracoes2Antes, porém, e porque o dia prometia, subiu-se logo pela manhãzinha ao Convento de Montariol, onde a comitiva foi presenteada com um pequeno-almoço conventual, depois de todos os participantes terem sido bem distribuídos pelas mais de trinta viaturas Citroen 2 CV, apoiadas, como novidade deste ano, por viaturas “Renault 4 L”. Recebidos pelo Padre José Neves, Guardião do Convento, este foi presenteado pela Junta de Freguesia de São Victor com uma lembrança e, para além do acolhimento sempre cordial, deu as bênçãos para uma ótima jornada. O Professor André Soares, responsável pela secção de Desporto adaptado do S.C. de Braga, aproveitou o ensejo, e a convite da Autarquia de São Victor, parceira na promoção do “Boccia – Desporto para TODOS”, fez uma sintética mas produtiva resenha desta modalidade e abriu o caminho para novos desportistas nesta modalidade cada vez mais popular.
Rodas ao caminho e lá foram fulgurantes as míticas viaturas até Penafiel. Recebida a Delegação no Museu Municipal pelo mais alto representante do Município de Penafiel, o Edil local e Amigo Dr. Alberto Santos deu as boas vindas, procedendo-se posteriormente a uma visita “que deixou água na boca”, pela qualidade desta Unidade Museológica e pela dedicada atenção da Conservadora Dra. Helena Bernardo, também presenteada com “uma lembrança, nada mais nada menos que uma Citroen 2V em artesanato”, para quem foi a melhor cicerone da visita, sempre interessada no melhor esclarecimento. Esta lembrança foi extensiva também ao Senhor Presidente da C.M. de Penafiel e a todos os Bicavaleiros presentes.

Unir geracoes3O almoço, bem juntinho ao Santuário do Sameiro, esteve à altura dos acontecimentos, reservando-se a tarde para uma visita à Igreja de Santo António dos Capuchos da Santa Casa da Misericórdia de Penafiel, proprietária do edifício, que aproveitou a recente recuperação para dotar a Igreja com espaços agora utilizados como salas de exposições e outras valências. Aí foi oferecido um “Aveleda de honra”, brindado por todos os Avós e representantes das duas Autarquias, e que foi acompanhado pelos “docinhos do amor”, típica confeção conventual saboreada por toda a Delegação.
A foto de família foi ali mesmo, frente à Igreja da Misericórdia, e ficou como registo para a posteridade.
O regresso desta jornada memorável foi tranquilo, e a viagem até Braga serviu de mote para próximas “aventuras”, já no ano de 2014. Assim seja!…